Jaraguá vai ganhar nova estação de trem

Especial para o Blog Mural, projeto do qual participo como correspondente, originalmente publicado em 06/12/2011

Jaraguá vai ganhar nova estação de trem

trem_2A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), como parte do plano de expansão do transporte metropolitano, irá reconstruir a estação Jaraguá de trem, na zona oeste de São Paulo. A atual estação, que pertence à Linha 7-Rubi (Luz – Francisco Morato), é tombada como patrimônio histórico de São Paulo e, portanto, não pode receber as obras de modernização e acessibilidade.

Segundo a assessoria de imprensa da CPTM, o projeto é orçado em R$ 39,4 milhões e deve durar 24 meses a contar da data da assinatura da ordem de serviço. O novo edifício será construído ao lado da atual estação e terá plataformas cobertas, escadas rolantes e todos os itens de acessibilidade (elevadores, piso e rota táteis, comunicação em braille, corrimãos e rampas adequadas, sanitários exclusivos para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida).

Moradores da região e usuários dos serviços da CPTM avaliam que as obras são necessárias e esperam melhorias que a atual estação não possui, como, por exemplo, uma passarela coberta para atravessar as plataformas.

Fernando, 31, acredita que o projeto deve trazer melhorias significativas, mas teme o período das obras: “vai ser um transtorno terrível, vai tumultuar, vai complicar a vida”. José, 25, revela que “apesar dos transtornos nas obras, daqui uns 5 anos deve melhorar bastante”. Já Edmar Soares de Oliveira, 48, vê como essencial a instalação de escadas rolantes, pois acha “perigosos os degraus da escada atual, que são de ferro e estreitos”. Todos os entrevistados esperam que as obras não interfiram no funcionamento dos trens.

A atual estação do Jaraguá tem 120 anos e possui uma arquitetura inspirada nas estações da Inglaterra. Até a conclusão das obras da nova estação, vai atender aos usuários. Após este período, terá uma nova vocação, ainda não definida.

O tombamento, determinado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat), foi publicado no Diário Oficial da União, em 17 de julho de 2010. Apesar do tempo, muitos moradores da região ainda desconhecem o fato. Rita de Cássia, 47 e Ana, 32, acreditam que a divulgação é importante para o bairro, “para atrair turismo e movimento”.